31.5.07

A tarde cai

O homem velho deixa vida e morte para trás
Cabeça a prumo, segue rumo e nunca, nunca mais
O grande espelho que é o mundo ousaria refletir os seus sinais
O homem velho é o rei dos animais
A solidão agora é sólida, uma pedra ao sol.
As linhas do destino nas mãos a mão apagou
Ele já tem a alma saturada de poesia, soul e rock'n'roll
As coisas migram e ele serve de farol

A carne, a arte arde, a tarde cai
No abismo das esquinas
A brisa leve traz o olor fugaz
Do sexo das meninas
Luz fria, seus cabelos têm tristeza de neon
Belezas, dores e alegrias passam sem um som
Eu vejo o homem velho rindo numa curva do caminho de Hebron
E a seu olhar tudo o que é cor muda de tom
Os filhos, filmes, livros, ditos como um vendaval
Espalham-no além da ilusão do seu ser pessoal
Mas ele dói e brilha único, indivíduo, maravilha sem igual
Já tem coragem de saber que é imortal
Caetano Veloso. Dedicado à memória de seu pai, a Mick Jagger e a Chico Buarque. No blog reproduzo em lembrança do meu pai e dedico aos meus irmãos e aos meus velhos amigos

1 Comentários:

Anonymous brunoro disse...

Obrigado.
Neto, o quase velho. Mais ou menos moço.

8/6/07  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial